Gehennah: Entrevista com Mr. Violence
Armour: Entrevista com Pete Talker
Entrevista com Evo - Warfare
Battalion:Entrevista com Marcelo Fagundes
Sodomizer:Entrevista com Leatherface
Entrevista: Whipstriker
Entrevista: Abomydogs

Review: Metal Actions - 24/04

On terça-feira, abril 28, 2009

Pouquíssimo público e ótimas performances. É assim que pode ser resumido o Metal Actions dessa sexta-feira (24/04).

Previsto para começar as 22 horas, o evento teve mais de uma hora de atraso. A HECATOMIC, banda de Tupã/SP, não conseguiu chegar a tempo, porém, isto não prejudicou o show. Após sua chegada, foi declarada a hora de começar o metal e o conjunto AVE NOTURNA foi o primeiro a subir ao palco.

Ave Noturna


Os bangers de Londrina, que executam um Heavy Metal cantado em português, realizaram a performance de estréia da banda, executando as músicas com precisão e qualidade. O ponto que realmente deixou a desejar foi a interação público/banda, as tentativas de começá-la não obtiveram sucesso, como se pôde ver no momento em que Rodrigo (Guitarra) gritou "Quem aqui curte Salário Mínimo?" e em resposta recebeu o silêncio. A presença de palco do guitarrista me agradou bastante, batendo cabeça sem parar e tocando com agressividade, enquanto Rômulo "Minduim" (bateria) fazia caretas e variava seu visual, alternando entre dois bonés e um capacete.


Rosana, Rômulo e Danilo


Marcelo (vocal) também demonstrou competência ao cantar as músicas e se comportar no palco. Sua interação com Rodrigo foi um ponto alto, cantando refrões e batendo cabeça juntos, esse tipo de atitude contribui para tornar o show mais empolgante. Rosana (baixo) mostrou que tem técnica e criatividade para criar linhas de baixo, apesar de que, em alguns momentos, aparentou ter esquecido alguns trechos, fato que compreendo perfeitamente, afinal, já fiz isso muitas vezes em apresentações com a Nightstalker. O que realmente faltou para a baixista foi uma dose maior de animação: ela permaneceu praticamente imóvel durante a maior parte do show. Afinal, estamos falando de Metal, então: cabeças rolando o tempo todo! E o mesmo ocorreu com Danilo (guitarra), tocou bem, se mexeu um pouco mais, entretanto mostrou um pouco de nervosismo.


Rodrigo e Rômulo


O set list contou com as músicas da demo "Caminho Metálico" e alguns sons novos, como "Heavy Metal" e "O Poderoso". Sons para bater cabeça e relembrar os clássicos do Metal Nacional, porém, infelizmente, a cada vez que olhava para o lado, só via as poucas pessoas presentes de braços cruzados. De qualquer forma, foi uma ótima estréia, da próxima vez, espero ouvir o público berrando em coro: "Venha! Siga! Este caminho metálico agora!"


"Multidão" presente


Então veio a hora do Death Metal profanar a casa! Os bangers da Hecatomic subiram ao palco para perfurar os ouvidos dos presentes. Já conhecida na região, a banda obteve uma melhor resposta da platéia e houve headbanging durante toda apresentação. Realmente uma pena a falta de pessoas, gostaria de ter visto algum stage dive.


Andrade


O carismático vocalista Andrade, dono de uma voz potente, foi um verdadeiro frontman e não parou um minuto. Ao seu lado, executando os ferozes riffs das composições, estavam André Redressa (baixo), que também apresentou uma boa performance de palco e Rodolfo Rizzato (guitarra), já um pouco mais parado. Completando o quarteto, Gustavo Figueroa controlava as baquetas, mantendo a energia e fúria típica do estilo.


André Redressa


O conjunto tocou músicas de suas demos, como a mais recente, “Carnal Insult”, de 2001 que estremeceram o Cemitério de Automóveis. O set também conteve um cover do NAPALM DEATH, com a música “Suffer the Children”.


Hecatomic


Um ótimo evento, ótimas bandas, e uma mínima quantidade de pessoas para apreciar. A divulgação foi feita, então, o que ocorreu? Provavelmente, e para a tristeza dos bangers que batalham para manter uma banda original que tenha músicas próprias, isso seja resultado da excessiva valorização das bandas cover que tem ocorrido. Há pessoas que não pagam uma entrada de 7 reais para ver um evento como esse, mas pagam 10; 15 reais para assistir uma banda que apenas toca músicas de outras. Essa é a realidade da cena metálica nacional, e uma realidade que precisamos mudar.

Blog Widget by LinkWithin

0 comentários

Postar um comentário