Gehennah: Entrevista com Mr. Violence
Armour: Entrevista com Pete Talker
Entrevista com Evo - Warfare
Battalion:Entrevista com Marcelo Fagundes
Sodomizer:Entrevista com Leatherface
Entrevista: Whipstriker
Entrevista: Abomydogs

Sodomizer: Entrevista com Leatherface

On quinta-feira, fevereiro 25, 2010

Oriundo do Rio de Janeiro, Sodomizer é mais um exemplo de como a cena carioca tem se mostrado fodida. O som da banda pode ser descrito como Heavy/Speed Metal, ou ainda melhor, como eles mesmos se descrevem: Heavy Speed Devil Metal. Para completar o massacre, as letras têm como principal foco o cinema de Horror. Desfrute abaixo de uma entrevista com o baixista Leatherface.


Screams in The Night – Saudações, Leatherface! Comente um pouco sobre o histórico do Sodomizer e como a banda se encontra atualmente.

Leatherface – Fundamos o Sodomizer em 1999 (eu e Warlock) ,gravamos a demo tape “Hellkult and Sodomy” sozinhos, estabilizamos uma formação para gravação do nosso primeiro álbum, “Tales Of The Reaper”, nossa demo tape foi lançada com um ensaio (formato tape) no lado B e a mesma lado A, com uma nova capa e layout sob o nome “The Dead Walk”. “The Dead Shall Rise To Kill” foi nosso segundo álbum, “The Dead...” foi lançado em 2007, seguido da compilação (formato CD) “More Horror and Death Again...”, que traz nossa demo, o ensaio do lado B da tape “The Dead Walk” mais músicas inéditas (versão ensaio) e um split com nossos amigos do Farscape : “The Horror Can’t Stop” ( vinil ), sofremos mudanças de formação do início da banda até aqui, mas estamos com uma formação sólida desde o final da gravação de nosso segundo álbum comigo no baixo, Warlock no vocal e guitarra, Poison Hell na outra guitarra e Zombie na bateria. No momento estamos trabalhando nas capas e layout do nosso terceiro álbum, “Jesus Is Not Here Today”, e um split com o Hellkommander: “Making The Devil Work”, ambos ,assim como todos nossos lançamentos, terão versão em CD e LP.

S.I.T.N. – Em 2007, foi lançado o segundo full-lenght da banda, “The Dead Shall Rise to Kill”. Houve um bom retorno dentro e fora do Brasil? Você considera que a banda evoluiu, com relação ao primeiro álbum?

Leatherface – Tivemos um retorno devido a boa distribuição da gravadora Marquee Rec, e também uma resposta forte devido ao LP que foi lançado pela gravadora Dinamarquesa Horror Rec. em 3 versões: vinil preto, colorido (branco e cinza) e picture. Com esse suporte tivemos uma boa divulgação, a nível de underground. Não podemos ir muito longe falando de zumbis devorando cérebros, holocausto canibal, o nascimento do Anticristo, Succubus sendo possuídas no inferno, assassinos em serie e um monte de outras coisas legais subversivas.

S.I.T.N. – Enquanto os vocais de Ripper eram algo mais Heavy Metal, na linha do Udo, Warlock tende mais para o Thrash/Speed Metal. Essa mudança foi natural ou vocês já procuravam alguém que cantasse dessa forma?

Leatherface – Warlock era o vocalista original desde a nossa demo tape “Hellkult and Sodomy”. No “Tales of The Reaper”, pelo fato dele ficar sobrecarregado com o vocal e guitarra, tivemos um vocalista nesse álbum, quando Ripper saiu foi natural ele voltar ao seu posto original.

S.I.T.N. – Encartes, introduções, letras... tudo transmite a admiração da banda por filmes de terror. Que obras do gênero você recomenda?


Leatherface – Vejam os clássicos como as obras de George Romero, Lucio Fulci, Wes Craven, Zé do Caixão, Tobe Hooper, etc... mas o terror asiático é maravilhoso (principalmente o coreano), recomendo dois excelentes filmes coreanos como “R-Point”, “Memorias de um Assassino” e toda obra de Takashi Miike (desde seus filmes de horror ate os clássicos de Yakuza).

S.I.T.N. – Ultimamente, tem ocorrido uma verdadeira onda de remakes de clássicos do cinema, e o gênero horror não ficou de fora. Você tem acompanhado essas produções? Você acha que um remake pode reviver uma obra, lhe trazendo novas características, ou que são apenas métodos caça-níqueis em cima desses clássicos?

Leatherface – Você tem de entender que toda obra, por mais marginal, toda anti-moda acaba virando moda (aconteceu com o Punk, Heavy Metal e etc...), tudo depois é empacotado e colocado em prateleiras para venda. Normal, pois vivemos num mundo consumista, falando de filmes e mais especificamente do ramo de filmes chocantes de terror, visionários como Wes Craven, por exemplo, que filmou dois grandes filmes que tiveram seus respectivos remakes como “The Hill Have Eyes”, que foi dirigido pelo Alexandre Aja, foi na minha humilde opinião um dos melhores senão o melhor remake de todos os tempos, já o “The Last House On The Left” foi um bom remake mas o original é melhor, o mesmo aconteceu com “O Massacre da Serra Elétrica”, o original é melhor, mais doentio, tem uma atmosfera densa, porém com a boa bilheteria foi viável filmar “O Massacre da Serra Elétrica, o Inicio”, que é um ótimo filme. Não há como Hollywood não correr atrás de lucrar, pois tem muito dinheiro envolvido nesses projetos. Entendo o que você quer dizer, mas muitos grandes diretores consagrados ouvem um sonoro “NÃO” para filmes e outro projetos desses produtores que injetam milhões de dólares nesses filmes se eles não verem que podem ter retorno financeiro, como o Peter Jackson (diretor da trilogia do senhor dos anéis e do clássico Braindead). O dinheiro é realmente uma merda, mas que podemos fazer, é ele que move o mundo!

S.I.T.N. – Você é fascinado por histórias de serial killers, certo? Quais maníacos mais lhe intrigam e interessam?

Leatherface – Sim, sigo alguns atos hediondos desses sociopatas, Charles Manson, nem tanto pelos crimes mas como ele é extremamente cativante, carismático e manipulador e agregou à sua volta uma sociedade na qual ele era o deus e messias, ele nunca cometeu um crime, nunca disparou um tiro, mas manipulou todos seus seguidores para cometerem crimes, assassinatos e etc. Pessoas como ele, Reverendo Jim Jones, o Papa são mais perigosos que Richard Ramirez, por exemplo, pois podem incitar centenas, milhares de pessoas a fazerem grandes merdas, como suicídio coletivo, execuções e etc...

S.I.T.N. – Li em sua entrevista para o Thundergod Zine, que você manteve contato com alguns assassinos em série e até entrevistou um para seu zine. Como você procedeu para estabelecer este contato e de que forma foi feito? E com quais matadores você já se correspondeu?

Leatherface – Apenas Nicolas Claux, que se comporta como um rock star, hoje vive de pintar quadros e etc... na Europa é fácil você reconstruir sua vida depois de cometer crimes, o governo faz de tudo para você pagar sua dívida com a sociedade e se reintegrar como um “Cidadão Produtivo”. Não é fácil manter contato ou entrar em contato com psicopatas daqui do Brasil, com assassinos em serie do EUA, por exemplo.

S.I.T.N. – Falando em seu zine, você poderia nos dar mais informações sobre ele? E como é a circulação de zines na cena carioca? Você poderia citar alguns que mais o agradam?

Leatherface – No momento, não estou trabalhando em nenhum zine e tenho algumas resenhas e entrevistas que devo ao Thundergod Zine, a falta de tempo é realmente meu maior problema.

S.I.T.N. – No encarte de “Tales of The Reaper” vocês incluíram atrizes pornôs nos agradecimentos. Quais são suas preferidas? Você tem preferência pela indústria pornográfica de algum determinado país?

Leatherface – Acho algumas atrizes brasileiras boas, mas o Brasil ainda está muito atrasado em vista do mercado americano e europeu. O leste europeu também tem belíssimas Succubus.

S.I.T.N. – Recentemente, várias personalidades decadentes têm gravado filmes pornôs, como Gretchen e Leila Lopes (em todos os sentidos, enterrada). Para você, ver mulheres famosas sendo penetradas é algo excitante, devido a fantasia que sua constante exposição na mídia cria? Ou é decepcionante, visto que são pessoas sem nenhuma experiência em atuar em obras pornográficas?

Leatherface – Sinceramente, acho esses filmes com essas celebridades uma merda, não vejo novelas, não vejo reality shows e programas de fofocas, tirando algumas mini-séries de época. Conheço algumas atrizes nacionais bonitas e talentosas, mas prefiro as verdadeiras atrizes pornográficas, como Tory Lane, por exemplo, que é uma deusa succubus, que ama realmente transar, do que essas vampiras gananciosas que querem fama, sucesso, dinheiro e um punhado de outra coisa supérfluas, é algo bom para produtoras verem atrizes e celebridades desempregadas que fazem o fetiche de milhões atuarem em filmes, mas não a minha, são péssimas atuando, mas existe um mercado, então que se dane.

S.I.T.N. – Considerando a temática do Sodomizer, assinar com uma gravadora de nome “Horror Records” me parece uma escolha perfeita. Como se deu o contato e como é trabalhar com o selo?

Leatherface – A Horror Rec. é um selo Cult e realmente temos um relacionamento de amizade, eles realmente se interessam pela nossas trilhas sonoras de horror e lançam nossos LPs, nossa parceria realmente tem sido duradoura e Azter (dono do selo) é um grande irmão. Eu espero fazer toneladas de gravações com eles e que perdure ate o nosso fim nossa parceria. O contato vem de longa data, desde nossa demo tape.

S.I.T.N. – Essa é para exercitar o lado maníaco (risos): Crie e descreva uma cena de filme de terror da forma que mais lhe agradar, depois atribua a ela a trilha sonora que achar que melhor se encaixa.

Leatherface – Provavelmente mais de uma cena, como o ataque ao trailer em “The Hill Have Eyes”. A primeira aparição de Leatherface (eu, no caso), matando o jovem a marteladas em “O Massacre da Serra Elétrica”. Mas, talvez a mais propicia para uma música nossa, seria os cenobitas torturando Frank no final de “Hellraiser” com nossa música Cenobites como trilha sonora.

S.I.T.N. – Uma das modinhas passageiras que surgiu há um tempo atrás foi a do vegetarianismo e veganismo, que tem também se infiltrado no Metal. Isso se torna um problema a partir do ponto em que algumas pessoas vêem meia dúzia de imagens sensacionalistas que circulam pela internet, que criticam o consumo de carne, então passam a defender essa “ideologia” feito cristãos fanáticos. Qual sua posição a respeito disso? Você se depara muito com esse cenário no Rio de Janeiro?

Leatherface – Minha opinião pessoal é “O SER HUMANO NASCEU PARA COMER CARNE!”, sou contra matar um elefante para arrancar seu marfim para jóias e etc... hoje existe o couro sintético assim não há necessidade de executar animais para se aquecer, se alguém quer ser vegetariano, que seja, mas não venha encher meu saco. Sinceramente, não confio em quem não bebe cerveja e não come carne, mas cada um sabe da sua vida. O problema das pessoas é que eles não enxergam que o direito de um termina quando o do outro começa, é muito fácil ser juiz e carrasco.

S.I.T.N. – Um assunto que sempre gera discussão é a predominância de shows de bandas cover em todos os cantos. O que pensa desse situação? Vocês já dividiram palco com alguma banda nesse estilo? Se sim, como foi?

Leatherface – É um fenômeno curioso realmente, as pessoas que vão ao show de um Queen cover, por exemplo, tratam os membros da banda como os verdadeiros Mercury, Brian, Roger e John... essas bandas arrastam muitas pessoas para seus shows ... e os “produtores” (mequetrefes que só querem lucrar, acham que são alguma coisa e não são merda nenhuma), que enxergam apenas cifrões fazem festivais de bandas cover, colocam bandas cover em festivais e por aí vai, existe todo um contexto aí. O que é mais fácil, montar uma banda do zero, tentar soar original, gravar demos, álbuns, correr atrás do nada ou gozar com o pau dos outros? Acho que todos sabem a resposta. Nunca dividimos o palco com bandas assim, mas já toquei com bandas que se importavam mais com covers do que executar seu próprio som ao vivo (por motivos óbvios).

S.I.T.N. – Você tem interesse pessoal pelo Satanismo, certo? O que você diria para a molecada que acha que andar de sobretudo sob um calor de quarenta graus e sair por aí matando animais na rua é ser satanista?

Leatherface – Sim, mas isso é uma questão pessoal, ninguém na banda realmente tem interesse real em ocultismo tirando a mim. Existem muitas vertentes e caminhos diferentes para o satanismo e ocultismo, não acho que atos estúpidos (como matar animais) sejam praticados por quem procura força e sabedoria no oculto, e sim por crianças desorientadas.

S.I.T.N. – Em 2008 vocês obtiveram uma coletânea lançada pela Deathrash Armageddon. Como está sendo a receptividade desse material? A distribuição feita pelo selo foi satisfatória?

Leatherface – Se trata de nossa demo tape Hellkult and Sodomy mais o ensaio no lado B da tape The Dead Walk e algumas músicas novas que estarão em nosso novo álbum. Uma compilação, foi boa tanto para nós como para o selo, sempre tivemos vontade de ter um lançamento no Japão e acho que foi a hora certa, essa compilação será lançada pela Iron Bone Head Rec. da Alemanha em LP com uma capa diferente e outras faixas, com uma nova capa, novo layout e etc...

S.I.T.N. – Como anda a agenda da banda, os shows são freqüentes? E quando irão lançar artefatos novos?

Leatherface – Shows estão cada vez mais escassos devido a falta de seriedade, compromisso, honestidade e transparência desses pseudo-produtores, as pessoas nos escrevem dizendo, venham aqui, toquem e “blá blá blá”, quando vamos falar de valores eles mudam de assunto dizem que fazem isso pelo Metal, sem ter lucro, mas eles lucram na bilheteria no bar e etc... e caso eles não tenham percebido, NÓS NÃO SOMOS UMA ONG, GRUPO DE CARIDADE, FILANTROPOS... se você não tem culhão para organizar um bom show e cumprir nossas exigências (passagem paga de ida e volta, cachê, hospedagem, comida), nos faça um favor, nunca tente entrar em contato, ok. Quanto ao novo material, está todo gravado, prevemos para esse ano de 2010 nosso novo álbum em LP e C (LP pela Horror Rec e CD pela Deathrash Armageddon Rec.). O nome será “Jesus Is Not Here Today” e nosso split com o Hellkommander, “Making The Devil Work”, em LP e CD também.

S.I.T.N. – Leatherface, isso é tudo. Muito obrigado pelas palavras e deixe sua mensagem final aos headbangers.

Leatherface – Obrigado a você pelo espaço cedido e perguntas originais. Para compra de merchandising, escrevam ou mandem e-mail.




Sodomizer:

C/O: Leatherface
Avenida dos Italianos 1108, casa 04
Bairro Coelho Neto, Rio de Janeiro
CEP: 21510-101
http://www.myspace.com/thetruesodomizer
thesodomizer@hotmail.com

Blog Widget by LinkWithin

2 comentários

  1. Grande entrevista.
    Em minha opinião, Sodomizer é a melhor banda do cenário Underground Brasileiro atualmente!!!

    Posted on 29 de agosto de 2010 07:01

     
  2. Parabéns pela ótimo entrevista!
    Também possuo um BlogZine, intitulado Coven Of Darkness. Depois acesse e confira nosso trabalho:

    covenofdarkness.blogspot.com

    Grande abraço!
    666

    Posted on 31 de maio de 2011 05:49

     

Postar um comentário