Gehennah: Entrevista com Mr. Violence
Armour: Entrevista com Pete Talker
Entrevista com Evo - Warfare
Battalion:Entrevista com Marcelo Fagundes
Sodomizer:Entrevista com Leatherface
Entrevista: Whipstriker
Entrevista: Abomydogs

Armour: Entrevista com Pete Talker

On quinta-feira, março 18, 2010

Pura atitude Rock 'n' Roll. É o que define o Armour. Os finlandeses acabam de lançar seu homônimo debut e conversamos com o baixista Pete "Sixshooter" Talker. O que se segue é muito Metal e atitude. Apreciem!


Screams in The Night – Olá, Pete! Como vai o Armour?

Pete Talker – Hail! O Armour está melhor do que nunca. Nosso álbum acaba de ser lançado pela Hell's Headbangers nos Estados Unidos! Nós temos um novo baterista, Johnny River! Muito Metal, sexo e álcool! Tudo está ótimo neste momento!

S.I.T.N. – O Armour recentemente lançou seu auto-intitulado debut. Conte-nos sobre seu processo de produção, vocês enfrentaram muitas dificuldades? E como é o trabalho com a Primitive Reaction?

Pete Talker – A produção do álbum foi muito fácil e não houve dificuldades a se mencionar. Nós o gravamos em três dias! Foi gravado ao vivo! Apenas os solos e vocais foram gravados depois. Trabalhar com a Primitive Reaction tem sido muito fácil e nós estamos realmente satisfeitos!

S.I.T.N. – Armour venceu o concurso de bandas da Alphard Sound Technology, realizado em 2007 e, em 2008, foi eleita a terceira melhor demo na competição "Demoklubi”. Vocês também conseguiram um segundo lugar na lista de singles finlandeses mais populares. Essas conquistas foram uma surpresa para a banda? É comum este tipo de reconhecimento para as bandas de Metal na Finlândia?

Pete Talker – Não, não foram uma surpresa! Nós sabíamos que poderíamos alcançar essas coisas muito facilmente. Nenhuma outra banda de METAL REAL na Finlândia pode fazê-lo, mas nós com certeza podemos! É claro que essas bandas de “Metal” da moda atingem as paradas, mas o Armour, que é contra todas as bandas de Metal modistas de merda, atingiu o segundo lugar... isso é algo realmente diferente.

S.I.T.N. – Antes do Armour, Vince Venom e outros membros já possuíam uma carreira na cena Black/Death Metal. Considerando que o Armour soa muito diferente de suas outras bandas, houve comentários negativos dos fãs mais extremos dos gêneros citados?

Pete Talker – Sim, houve algumas respostas negativas, mas nós não nos importamos!

S.I.T.N. – Bem, este é um tipo de questão que gosto de fazer. Infelizmente, nós vemos muitos headbangers que parecem pensar que o Metal já nasceu rotulado como Speed, Thrash, Black... Por mais que esses sejam gêneros que eu sempre ouço, acho que isto é um problema. Muitos deles não conhecem ou até mesmo desprezam as bandas tradicionais do começo dos anos oitenta. Na sua opinião, por que isto acontece? Seria algum tipo de preguiça de escavar em busca dos gêneros do estilo?


Pete Talker – As pessoas sempre tentarão achar algo extremo. Nós somos muito extremos naquilo que fazemos... nós temos muita testosterona, mensagem e força em nossa música. Eu recomendo a todos escavar algumas bandas antigas, e você achará algo que às vezes é mais real e mais extremo que muitas das bandas de Metal extremo de hoje.

S.I.T.N. – Contraditóriamente, de certa forma, a situação na última questão, nós também estamos em um momento de moda de “bandas-retrô”. Eu suponho que haja algumas pessoas que acusam a banda de ser um mero clichê. Como vocês reagem a este tipo de coisa? Seria uma falta de capacidade de, não só ouvir a música, mas também de captar todo o (ótimo) sentimento e a atitude inerente a ela?

Pete Talker – Eu odeio essa coisa modista de retrô... Armour não é uma banda retrô! Nós o fazemos isto porque é real para nós e vem direto de nossos corações. Não há atitudes de brincadeira no Armour.

S.I.T.N. – E quanto a você, você tem bandas ou projetos além do Armour? Se sim, você poderia falar sobre?

Pete Talker – Sim, eu tenho algumas outras bandas, mas não falarei delas neste momento.

S.I.T.N. – Os finlandeses são conhecidos por seu consumo regular de álcool. Quais são suas bebidas favoritas? E qual é sua relação com a famosa trindade “Sex, Drinks and Metal”?

Pete Talker – Minha bebida alcoólica favorita é cerveja. Sex, Drinks and Metal... é sobre minha vida que está falando. Eu também trabalho, mas fazer sexo, beber e ouvir Metal é a maior parte do que faço... especialmente a parte do sexo.

S.I.T.N. – Hoje em dia, há uma verdadeira falta de atitude headbanger. Que tipos de comportamentos você diria que faltam na cena Metal? E qual sua perspectiva sobre a cena finlandensa?

Pete Talker – Todos os idiotas do Metal modista podem cair fora! Fodam-se suas bandas estúpidas e roupas da moda! Essa coisas não irão durar! O Metal de verdade irá durar para sempre e nunca perderá o seu significado para as pessoas REAIS do Metal. Metal é perigoso, Metal é sobre rebelião e todas as coisas que estão erradas neste mundo. Na Finlândia nós temos bons novos nomes como Speedtrap ou Cast Iron (R.I.P.).

S.I.T.N. – Você tem feito muitos shows? Há algum que foi mais intenso e insano que o normal?

Pete Talker – Nós temos feito muitos shows! E se você quer que o Armour toque em seu país, nos contate! Sempre que tocamos na cidade de Kouvola, na Finlândia, as coisas ficam fora de nosso controle! Na última vez, nós tocamos lá com os Suecos do Helvetets Port! Grande banda!

S.I.T.N. – Às vezes, vemos situações inusitados em eventos de Metal. Você já presenciou muitos deles, ou mesmo foi parte de algum? Se sim, você poderia nos dizer como foi?

Pete Talker – Não estou certo sobre o que quer dizer, mas é claro que há muitas coisas acontecendo quando você fala sobre eventos de Metal... violência, drogas e sexo, mas estas coisas não são tão incomuns. Houve um show na cidade de Lahti, em 2007, em que as pessoas ficaram totalmente loucas! Amplificadores foram derrubas, belas garotas tiraram suas roupas, brigas entre a platéia fizeram com que a polícia fosse lá, um cara foi estrangulado e ficou inconsciente e por aí vai... mas isso não é tão incomum.

S.I.T.N. – Há artistas que se tornam seguidores de alguma religião, então negam e rejeitam suas idéias do passado. Um exemplo é Blackie Lawless, que se tornou um cristão e agora se recusa a tocar “Anima (Fuck Like a Beast)”, um de seus maiores clássicos. O que você pensa deste tipo de atitude? E que causas você acha que levam a estas extremas mudanças ideológicas?

Pete Talker – Bem, isto é muito ruim! Se você vira as costas para seu passado e tenta achar algum conforto em alguma religião, isto significa que você não é uma pessoa forte como pensava ser. Talvez, eles temam ir para o inferno pelas coisas que fizeram ou canções que escreveram? Eu tenho certeza que vou para o Inferno... (risos)!

S.I.T.N. – Hoje em dia, há muitas bandas que defendem idéias nazistas. Qual sua opinião sobre esta ideologia?

(O entrevistado não quis responder esta questão)

S.I.T.N. – O que você acha da cena brasileira? Você conhece muitas bandas daqui?


Pete Talker – Eu não sou muito familiar com a cena brasileira, mas eu tenho certeza que Vince [Venom] conhece muitas bandas daí.

S.I.T.N. – Pete, isto é tudo no momento. Obrigado pelo seu tempo e mande uma mensagem aos leitores!

Pete Talker – Obrigado pelas boas questões! COMPREM NOSSO ÁLBUM!! Hail Lúcifer!


Armour:

MySpace
Metal-Archives

Blog Widget by LinkWithin

0 comentários

Postar um comentário